CRF de Santarém recebe padronização de uniformes

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Foto divulgação Susipe.
As internas do Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Santarém receberam uniformes da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe), nesta sexta-feira (7). A ação de uniformização é uma estratégia para facilitar a identificação durante visitas e revistas, além de ajudar a família das detentas. É o que explica Ringo Alex, diretor da Cadeia Pública de Jovens e Adultos (CPJA). 
 
“No âmbito institucional, a uniformização proporciona a diferenciação para as autoridades judiciárias que fazem as visitas carcerárias (juízes, promotores, Defensoria Pública) na adequada aplicação legal das leis de execução penais. No âmbito social, a roupagem traz um benefício enorme para a família, pois evita a compra de roupas para serem entregues no cárcere, uma vez que essas peças se transformam até em comércio lá dentro. Já do ponto de vista operacional, um dos principais benefícios é a questão da revista porque são menos panos dentro das celas o que facilita a fiscalização e a identificação das presas”, explicou. 
 
Segundo o coronel Ricardo Batista, da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe), entre os objetivos da padronização está a garantia de uma identidade visual no sistema para evitar que cores e roupas inadequadas entrem na unidade e que materiais ilícitos entrem escondidos em peças de roupas. Ainda segundo ele, uniformizar as internas vai além de uma questão de padronização: é a retomada do controle da nossa população carcerária para a mão do Estado.
 
Todas as internas receberam os uniformes. As roupas que elas usavam antigamente foram todas etiquetadas e catalogadas para serem entregues às famílias. “Seguindo os novos protocolos de segurança, todas as 122 internas foram uniformizadas, na próxima semana será entregue mais um par de uniforme. A partir de agora as internas e os internos do Complexo Cucurunã devem se apresentar uniformizados para as atividades penitenciárias intra ou extramuros”, disse Ricardo Batista, integrante da equipe da Susipe.
 
 
 
 
Por Assessoria de Comunicação (com colaboração de Fernanda Cavalcante).