Deputados discutem monitoramento eletrônico de presos no Pará

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Atualmente, o Pará possui 1.601 presos utilizando as tornozeleiras eletrônicas, sendo 1.386 homens e 215 mulheres. O equipamento começou a ser utilizado em 2014, pelo Núcleo Gestor de Monitoração (NGME) da Susipe, com o apoio do CIOP.

Uma sessão especial na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) reuniu diversos representantes de órgãos da segurança pública ligados ao sistema penitenciário paraense. A discussão foi para avaliar a eficácia do uso do monitoramento eletrônico como ferramenta de redução da população carcerária com base na resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP).

O superintendente do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), Coronel Rosinaldo Conceição; o presidente do Conselho Estadual de Política Criminal e Penitenciária do Pará, José Arruda da Silva; o secretário-adjunto de Gestão Operacional da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Coronel André Cunha; o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans; a advogada Ivanilda Pontes, do Conselho Penitenciário do Estado do Pará (Copen); o promotor de Justiça do Ministério Público do Estado (MPE), Wilson Brandão; o coordenador do Grupo de Execução Penal da Defensoria Pública do Estado, Francisco Nunes; o coordenador da Pastoral Carcerária, diácono Ademir Silva e a ouvidora da Segup, Darla Santos participaram da sessão presidida pelo deputado Estadual Cássio Andrade.  

A nova resolução nº 5, de 10 de novembro de 2017, do CNPCP, constitui o início de uma proposta de política desencarceradora. “Essa nova política procura reduzir a população carcerária, através de alternativas mais econômicas para o Estado e de forma segura. A superlotação carcerária é o que promove rebeliões, fuga e violência dentro do presídio, por isso ela precisa ser combatida”, destacou o presidente do Conselho Estadual de Política Criminal e Penitenciária do Pará, José Arruda da Silva.

De acordo com a resolução, a monitoração eletrônica é medida excepcional, devendo ser utilizada para a substituição da prisão cautelar e, na execução penal, sempre que necessária e adequada. A utilização da tornozeleira também poderá ser direcionada às hipóteses de medidas cautelares diversas da prisão, medidas protetivas de urgência nos casos de violência doméstica e familiar contra a mulher, progressão antecipada, livramento condicional antecipado, prisão domiciliar deferida em substituição à pena privativa de liberdade ou quando se estabeleça na modalidade de regime semiaberto.

“Eu acredito que esse é um momento muito importante porque vem ajudar o sistema carcerário paraense, pois nós temos muitos internos em várias casas penais, inclusive no Centro de Recuperação Feminino (CRF), em Ananindeua, que trabalham e retornam para o presídio. Essas pessoas já estão ressocializadas e preparadas para retornar à sociedade”, disse Ivanilda Pontes, membro do Copen.

Atualmente, o Pará possui 1.601 presos utilizando as tornozeleiras eletrônicas, sendo 1.386 homens e 215 mulheres. O equipamento começou a ser utilizado em 2014, pelo Núcleo Gestor de Monitoração (NGME) da Susipe, com o apoio do Centro Integrado de Operações (CIOP). Para o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans, a nova resolução não significa a banalização da medida alternativa de privação de liberdade.

“Sabemos que hoje o maior problema do sistema carcerário é a superlotação e o legislador tem que buscar caminhos para ir ao encontro desse desafio. A audiência de custódia também foi uma iniciativa para tentar resolver esse problema e hoje o Conselho Nacional acredita que com a monitoração deve ser avaliada essa possibilidade de liberdade assistida. Não é conceder por conceder, essa monitoração seria estendida ao interno que iria para o semiaberto ou presos provisórios de baixo potencial ofensivo. É um dia de reflexão sobre o assunto”, ponderou o Michel Durans.

“Uma discussão como essa só vem contribuir para que juntos possamos encontrar alternativas para um problema que predomina em todo o Brasil, que é a superlotação, causadora de vários problemas dentro do sistema penitenciário. Nós já temos a ferramenta necessária para fazer com que essa nova resolução seja posta em prática, só temos que ver qual a melhor maneira de fazer isso”, ponderou o superintendente da Susipe, coronel Rosinaldo Conceição.

Monitoração – No Pará, o NGME conta com 33 agentes penitenciários que são responsáveis pelo acompanhamento de todos os detentos que utilizam tornozeleira 24 horas por dia. No CIOP também há dois agentes responsáveis especificamente por esta tarefa. Há duas telas para fazer o rastreamento de cada detento monitorado, onde são mostrados, em tempo real, todos os locais por onde o detento está passando. Caso o monitorado tente violar o equipamento ou o sinal da tornozeleira dele não apareça na tela, os agentes entram em contato com o preso para saber o que aconteceu.

A tornozeleira é feita de material acrílico e pesa em média 128 gramas. É um pouco mais grossa do que um celular, porém bem menor. É resistente a poeira e água, o que permite ao monitorado até entrar em uma piscina sem sair do radar. Se o preso tentar danificar o equipamento, o sinal de fibra ótica que passa por dentro da tornozeleira será interrompido, alertando imediatamente a central de monitoramento.  

“Fizemos dois contratos para aquisição de novas tornozeleiras eletrônicas aqui para o Pará, já pensando na implementação da nova política. No final de 2016, em um convênio com o Governo do Estado, foram adquiridas mais 2.000 tornozeleiras; e no final de 2017, em convênio com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), fizemos a aquisição de mais 465 equipamentos. A intenção é expandir e melhorar o trabalho que já fazemos”, concluiu Robervaldo Araújo, diretor do NGME.

Por Giullianne Dias | Foto: Akira Onuma (Ascom/ Susipe).