Detentas em Santarém fazem revisão final para provas do Encceja 2018

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Em 2017, mais de 62 mil presos fizeram as provas em todo o país. No Pará foram 1.485 detentos inscritos e 102 aprovados. Atualmente no Estado, 2.380 presos (13% da população carcerária) participam de alguma atividade educacional no Pará.

Detentas custodiadas no Centro de Recuperação Feminino de Santarém (CRF) , na região oeste, participaram da última aula de revisão para as provas do Encceja PPL 2018. Cerca de 30 presas devem fazer as provas na unidade prisional de Santarém que ocorrem amanhã (18) e na quarta (19), em todo o país. No Pará, 1.501 presos estão inscritos para as provas. O exame garante a certificação de conclusão de ensino fundamental e médio de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) em todo o país. Ao todo, 44 das 47 unidades prisionais do Estado irão participar do exame. Na Região Metropolitana de Belém (RMB), o Centro de Recuperação do Coqueiro (CRC) é a unidade com maior número de internos inscritos, com 101 presos no total. Já no interior do Estado, o Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (CRAMA), em Marabá, tem 64 inscritos.

Para participar do Encceja, o interno precisa ter o ensino fundamental e/ou médio incompletos. A avaliação, voluntária e gratuita, é aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e tem por objetivo avaliar as habilidades e competências básicas de jovens e adultos que não tiveram oportunidade de concluir o ensino fundamental quando estavam em idade escolar. Cerca de 11,86 % da população carcerária no Estado tem o ensino fundamental completo e 7,39 % o ensino médio.]

Se aprovado, o detento ganha a certificação para a conclusão do ensino fundamental e/ou médio. O apenado que obtiver aprovação no Encceja terá também 1.600 horas de remissão na pena, referente ao ensino fundamental, e 1.200 horas para o ensino médio ou educação profissional técnica (nível médio). As provas do Encceja serão realizadas dentro das unidades penais de todo o país. O resultado do exame será divulgado no final de setembro e os certificados serão emitidos pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

Quem fizer as provas para proficiência no Ensino Fundamental terá de responder 30 questões das áreas básicas do conhecimento, como Língua Portuguesa, Língua Inglesa, História, Geografia, Artes, Matemática, Ciências Naturais, Artes, Educação Física e Redação. Já para o Ensino Médio serão cobradas questões de Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Linguagens e Códigos e Matemática. Serão quatro provas para cada nível, além da redação.

O Encceja PPL é resultado de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e o Ministério da Educação. Foi instituído pelo Plano Estratégico de Educação no âmbito do sistema prisional (Decreto 7.626/2011), e busca promover ações que possam garantir o acesso à educação integral e de qualidade às pessoas privadas de liberdade.

Em 2017, mais de 62 mil presos fizeram as provas em todo o país. No Pará foram 1.485 detentos inscritos e 102 aprovados. Atualmente no Estado, 2.380 presos (13% da população carcerária) participam de alguma atividade educacional, sendo que destes, 1.179 fazem parte da educação formal.

Por Assessoria de Comunicação Social

Em conformidade com a legislação eleitoral (Lei 9.504/ 1997, Lei 13.303/ 2016, Resoluções TSE - Eleições 2018), comunicamos que a Susipe suspendeu temporariamente as atualizações de reportagens e matérias institucionais neste site, e irá publicar apenas releases e notas. O atendimento a imprensa continua sendo feito normalmente pelos telefones (91) 3239-4230 e 98896-5319/ 98895-7702 e pelo e-mail: acssusipe@gmail.com