SIC.PA
                                                    Serviço de
                                                    Informação ao
                                                    Cidadão

                   

Contraste:

  • White/Black
  • Padrão

Current Style: Padrão

Zoom:

  • Increase
  • Decrease
  • Normal

Current Zoom: 100%

Detentas produzem peças de artesanato com o tema do Círio

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF

Com agulha e linha nas mãos a detenta Vilma Lúcia da Silva, de 42 anos, se preparava para bordar mais uma bolsa encomendada para o Círio 2017. “Nosso ritmo de trabalho tem sido intenso, nós estamos fazendo turno dobrado aqui na cooperativa para poder dar conta de toda a demanda, mas é um trabalho que dá prazer fazer, é para Nossa Senhora, fazemos com gosto”, disse a detenta.

As 30 detentas que fazem parte da Cooperativa de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe), que funciona dentro do Centro de Recuperação Feminino (CRF), em Ananindeua, intensificaram a linha de produção com o tema do Círio. Estão sendo produzidas bolsas, guirlandas, blusas, broches, caixinhas decorativas, chaveiros, oratórios, canetas personalizadas com a imagem de Nossa Senhora, entre outros produtos. Os preços variam de R$ 15 a R$ 50 reais.

“Esse ano o diferencial foi a bolsa de tecido, bordada a mão pelas detentas. A procura tem sido tão grande que elas chegam a fazer uma média de 30 a 40 bolsas por dia, trabalhando também durante os finais de semana. Os produtos estão sendo feitos e logo entregues, não estão ficando nem para amostra. O sucesso está sendo total esse ano”, destaca Carmem Botelho, diretora do CRF.

A detenta Leilane Sales, de 33 anos, é devota de Nossa Senhora de Nazaré e diz que o trabalho acaba não se tornando cansativo, pois o objetivo vai além de apenas vender. “É um trabalho que fazemos com amor e pensamos em todos os detalhes para ficar bonito e especial. É uma homenagem à Nossa Senhora e ela merece que seja bem feito. Eu quando entrei aqui não sabia fazer nada e hoje já faço com tanta facilidade, que o tempo até passa mais rápido. Acredito que isso foi uma benção na minha vida”, disse a detenta.

A agente penitenciária Izabela Cabral é quem coordena o trabalho das detentas da cooperativa e diz que percebe o quanto elas têm se empenhado em produzir as peças. “Fico aqui o dia inteiro com elas e vejo o quanto estão dedicadas a esse trabalho. Elas mal param para almoçar, estão em um ritmo de trabalho acelerado para dar conta de tudo. Elas mesmas pensam nas criações, nos desenhos que irão colocar em cada produto e tudo fica muito bonito, elas tem talento e também vontade de fazer”, destacou a agente.

A Cooperativa Social de Trabalho Arte Feminina Empreendedora é a primeira formada exclusivamente por mulheres presas no Brasil. Em quase três anos de existência, as atividades já atenderam cerca de 200 mulheres custodiadas pela Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe).

“As peças produzidas pelas detentas também estão disponíveis para venda na internet. Os consumidores podem acessar o perfil @coostafe no Instagram e também ficam à venda nas praças da República e na Praça da Bíblia aos domingos”, informou Carmem Botelho.

 

Por Giullianne Dias | Foto: Akira Onuma (Ascom/ Susipe)
Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado

SUPERINTENDÊNCIA DO SISTEMA PENITENCIÁRIO DO ESTADO DO PARÁ
Rua dos Tamoios, 1592  -  Batista Campos  -  CEP 66033-172 - Belém/ PA
FONE: (91) 3239 4210