Detentos concluem ensino médio dentro de unidade prisional

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Durante dois anos, os internos cursaram a Educação de Jovens e Adultos (EJA) dentro da própria cadeia.

Entre grades, portões e algemas uma realidade pouco imaginada por quem está do lado de fora. Dez internos do regime fechado custodiados pela Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) concluíram, nesta quarta-feira, 30, o ensino médio. Os alunos cumprem pena no Centro de Recuperação Penitenciário do Pará II (CRPP II) e no Hospital Geral Penitenciário (HGP), localizados no Complexo Penitenciário de Santa Izabel. No Pará, 1.832 internos estudam e 71,7% das unidades prisionais possuem sala de aula.

Professores, equipe técnica da Diretoria de Reinserção Social da Susipe, familiares de internos, o diretor da unidade prisional Fabrício Martins e o diretor geral penitenciário, Ten.Cel PM Mauro Matos, participaram da solenidade.

Durante dois anos, os internos cursaram a Educação de Jovens e Adultos (EJA) dentro da própria cadeia. Disciplinas como português, matemática, química, física, sociologia, entre outras são ministradas por professores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio de convênio firmado com a Susipe.

Washington Gaspar Leal está preso há 11 anos. A educação era a princípio para ele, uma forma de remir pena, pois a cada 12 horas de estudo é reduzido um dia da pena, de acordo com a Lei de Execução Penal. Mas, com o passar do tempo e se sentido envolvido pelo aprendizado, as aulas deram a Washington um novo horizonte.

“Antes eu não tinha nenhuma perspectiva de vida. Hoje, eu vejo o cárcere como um lugar de transformação. Antes só me interessava em estudar pra diminuir a minha pena, logo depois fui tomando gosto pelo estudo e percebi que quem estuda tem que ter um sonho, os meus são me formar em teologia enquanto estiver aqui dentro e quando sair cursar a faculdade de Direito. Hoje, eu sei que a educação é um alicerce na vida de qualquer pessoa e estou realizando um dos meus sonhos”, disse emocionado o detento.

Se estudar exige determinação e força de vontade para quem pode gozar da sua liberdade. Para quem está limitado dentro de uma prisão, estas características se tornam fundamentais.

“Eu estou muito feliz. Nunca tinha imaginado que isso podia acontecer dentro desse lugar. Lá fora nós fizemos de tudo para que ele se formasse, mas infelizmente não deu certo. Apesar de muitos falarem da prisão, o mais importante é o querer da pessoa. O meu filho hoje quis, tirou o segundo grau e eu só tenho a agradecer a Deus. Quero que ele faça faculdade e nós estaremos aqui para apoiá-lo. Toda a família está muito feliz”, disse contente Kátia Lobo, mãe de Thiago Lobo, custodiado há 3 anos no CRPP II.     

“A formatura de hoje representa o trabalho que a Diretoria de Reinserção Social vem realizando junto a Seduc em proporcionar a educação para o público encarcerado. Somente com a busca do conhecimento eles poderão ter oportunidade quando saírem do cárcere”, afirmou o diretor geral penitenciário, ten.cel PM Mauro Matos.

Pólo de Educação à Distância

Em parceria com a Unicesumar, a Susipe irá instalar o primeiro pólo no Pará de Educação à Distância dentro de um centro penitenciário. O pólo funcionará no CRPP II e a as aulas estão previstas para começar no início de outubro.

Dos alunos que concluíram o ensino médio, três já estão aptos a concorrerem a uma vaga dos 36 cursos ofertados pela instituição. Com isso, os internos do regime fechado que hoje são impossibilitados de cursar um nível superior, poderão galgar mais um passo em sua qualificação profissional sem sair do cárcere.

As inscrições ocorrem até o dia 10 de setembro. Entre os cursos ofertados estão: administração, agronegócio, secretariado, segurança no trabalho, serviço social, gestão da qualidade, gestão de recursos humanos, marketing, licenciatura em geografia, história, matemática, pedagogia, entre outros.

Uma sala de aula está sendo construída exclusivamente para as aulas do ensino superior. Uma TV e a estrutura de cabeamento que irão viabilizar as vídeo aulas já estão em fase de conclusão. A cada 45 dias um monitor irá ao local para realização de provas.

“Incentivar a educação é algo necessário, principalmente quando estamos dentro de uma unidade prisional. É necessário dá essa condição, possibilitar aos custodiados novos focos”, afirmou o diretor da Unidade, ressaltando que a educação está baseada também na ressocialização.

“Essa foi a segunda turma que concluiu o ensino médio, que venham a terceira, a quarta e muitas outras. Com a presença do polo da Unicesumar aqui dentro o interno, a Susipe e toda a sociedade irão ser beneficiados”, finalizou Fabrício Martins.

Por Aline Saavedra  | Foto: Akira Onuma (Ascom/ Susipe)
Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará