Detentos do Conquistando a Liberdade revitalizam polo do Propaz em Outeiro

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
No total, cinco presos do regime semiaberto, custodiados na Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel (CPASI) trabalharam na instituição realizando serviços gerais como capina, roçagem e poda das árvores, além de pequenos reparos nos muros da instituição.

A Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) e a Fundação Pro Paz realizaram, na manhã desta quinta-feira (5), uma ação do Projeto “Conquistando a Liberdade” no Instituto Bola Branca, um dos polos de integração do Pro Paz, localizado no distrito de Outeiro.

No total, cinco presos do regime semiaberto, custodiados na Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel (CPASI) trabalharam na instituição realizando serviços gerais como capina, roçagem e poda das árvores, além de pequenos reparos nos muros da instituição. O objetivo do projeto é reintegração social do preso, por meio da prestação de serviços à comunidade.

Cleiton Patrick, de 26 anos trabalha no projeto há sete meses e foi através do Conquistando a Liberdade que conseguiu sair do cárcere depois de cumprir dois anos no regime fechado. “Através desse projeto eu tive a oportunidade de ver a rua novamente e sinto muita satisfação em fazer parte. Trabalhando aqui eu pude perceber que existem outros  caminhos para se viver e em breve quero voltar a sociedade trabalhando e sendo útil”, falou o interno.

No Conquistado a Liberdade, além da prestação de serviços às escolas públicas e instituições sociais, são realizadas duas ações educativas: o “Papo di Rocha”, uma roda de conversa com alunos a partir de relatos dos presos sobre o dia-a-dia na prisão e as consequências da entrada no mundo do crime, e também o “Projeto Escolar” onde as famílias dos jovens participam de encontros com os presos, que são mediadas por psicólogos e visam a reflexão e conscientização no processo de prevenção e combate a criminalidade, principalmente com jovens em situação de vulnerabilidade social.

Para o coordenador do projeto, Gerson Santos, a parceria do Pro Paz  com o Conquistando a Liberdade ajuda na prevenção e ressocialização dos internos para que possam voltar a sociedade de uma forma melhor, servindo de contra exemplo aos jovens assistidos pelo projeto.

“Essa parceria possibilita aos nossos internos uma oportunidade de trabalho, mesmo sendo voluntários, mas que os auxilia no retorno à sociedade de uma forma melhor. A integração dessas duas entidades favorece não somente aos presos, mas também aos jovens que são assistidos pelo projeto que podem através de exemplos reais refletirem sobre as consequências do mundo do crime. É também um trabalho educativo e que visa à prevenção", avalia Gerson.

O coordenador regional do Pro Paz, Alcemir Pinheiro, avalia de forma produtiva a parceria com a Susipe e já planeja novas ações com a participação das crianças e dos jovens que fazem parte do Pro Paz. 

“O resultado dessa parceria é sempre positivo, já que aproveitarmos a mão de obra dos apenados para nos ajudar na manutenção dos polos. Essa atividade para o preso tem uma experiência muito positiva, pois faz com que eles possam se sintam úteis à sociedade. Esperamos que com isso eles possam nos ajudar também no trabalho de conscientização junto às crianças e jovens que fazem parte do nosso projeto a mantê-los longe do crime”, ressaltou o coordenador. 

A parceria da Fundação Pro Paz com a Susipe acontece desde 2011. Em 2017, o Conquistando a Liberdade realizou 85 edições do projeto em 25 municípios do Pará. Em 2018, 13 ações já foram realizadas em todo o Estado.

Por Walena Lopes | Foto: Akira Onuma.