Fábrica Esperança oferece curso de produção artesanal de produtos de higiene

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Durante as aulas, o instrutor do Senar, José Maria, ensina aos detentos como manipular os produtos químicos e a quantidade correta para que os produtos sejam feitos com um alto padrão de qualidade.

A oportunidade de refazer a vida e adquirir novas experiências profissionais foi proporcionada a quinze egressos por meio de uma parceria da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). A ação é realizada pela Coordenadoria de Educação Prisional da Susipe com a oferta do curso de "Produção Artesanal de Produtos de Higiene e Limpeza" que acontece no Núcleo de Desenvolvimento Educacional da Fábrica Esperança, em Belém.

Mais de 60 litros de produtos serão produzidos pelos alunos que participam das aulas práticas, onde aprendem a manipular os produtos químicos que irão produzir cerca de 10 itens de higiene e limpeza como: detergentes, desinfetantes, amaciantes, limpa alumínio, água sanitária e sabão grosso que é feito com óleo reciclado (visando o baixo custo da produção), além de aromatizantes, sabonetes em barra e liquido.

Durante as aulas, o instrutor do Senar, José Maria, ensina aos detentos como manipular os produtos químicos e a quantidade correta para que os produtos sejam feitos com um alto padrão de qualidade. “Aqui eles aprendem a manipulação do material químico utilizado. É mostrado também a prevenção que deve ser tomada e os cuidados no armazenamento e conservação dos produtos. Tudo é feito com muita dedicação para que o produto mantenha uma boa qualidade. Além disso, damos noções de empreendedorismo para que eles possam montar uma cooperativa ou até mesmo ter o seu próprio negócio”, disse o instrutor.

O Senar fornece ainda o material didático para as aulas teóricas e todos os produtos necessários para as aulas práticas, como óleo de cozinha, essências e materiais químicos. Segundo o instrutor, os utensílios para manipulação dos produtos são também artesanais, para que os egressos tenham facilidade de reproduzir o processo em casa.

O egresso Lazaro Luciano, 33 anos, está há um ano e meio em liberdade e vê nos cursos e aulas oferecidas pela a Fábrica Esperança uma ótima oportunidade de se capacitar e abrir o próprio negócio. “Estou muito motivado em participar desse curso. É muito bom perceber que nós mesmos podemos produzir esses produtos e vender na nossa casa. Isso vai ajudar a ganhar meu próprio dinheiro e sustentar a minha família”, avalia.

Para o egresso Michael Bruno, 26 anos, o curso é mais um degrau oferecido pela Fábrica Esperança. “Desde que sai da prisão fui em busca de um novo direcionamento para a minha vida. Pela Susipe, eu conseguir chegar até a Fábrica Esperança e pude me inscrever em vários cursos e ainda vou poder terminar o meu ensino médio. Descobri que produzir material de limpeza não é tão difícil e isso vai melhorar minha renda e quem sabe no futuro eu consiga montar meu próprio negócio”, conta.

Por Walena Lopes | Foto: Veloso Junior (Ascom/ Susipe).