Internas participam de feira de artesanato e expõem produtos da Coostafe

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Foto: divulgação Susipe.
Os produtos artesanais produzidos pelas internas da Cooperativa Social de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe) do Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Ananindeua estão sendo expostos e comercializados na Feira do Artesanato Mundial (FAM) e na 7ª Feira Estadual de Artesanato (FESART), que vai até 10 de novembro, no Hangar - Centro de Convenções da Amazônia, em Belém.
 
Nesta segunda-feira (4), foi realizada a abertura oficial do evento pelo governador do estado, Helder Barbalho. Na ocasião, uma das internas da Coostafe entregou um quadro feito manualmente para o governador em nome da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe).
 
Para a reeducanda Luzia Monteiro, fazer parte do projeto é gratificante. “É importante para mostrar o nosso trabalho, a nossa criatividade, nossos talentos  e também pela ressocialização da gente. É bom mostrar para o mundo que, independente do erro que cometemos, a gente pode ser uma pessoa melhor a cada dia. Quando olho e vejo isso tudo aqui, eu penso que vale a pena participar da Coostafe”, contou a interna que participa da Coostafe há dois anos.
 
Realizado pelo Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (SEASTER) e Secretaria de Estado de Cultura (SECULT), a feira reúne mais de 500 expositores do Pará, do Brasil e do mundo. A Coostafe participará durante todos os dias da feira. A proposta é reunir expositores com destaque para a inclusão e diversidade. Além das pessoas privadas de liberdades (PPLs) a feira conta com estandes voltados para pessoas com deficiência, indígenas, quilombolas e LGBTQI+, destacando a igualdade e valorizando o trabalho realizado por todos.
 
“Trazer uma interna é o ponto crucial da feira porque elas que produzem, elas que colocam o amor no artesanato que a gente traz para as feiras. Nãoao se trata do valor monetário, mas sim o valor que elas colocam quando estão produzindo como uma forma de liberdade. Isso contribui para a ressocialização não só de quem vem expor, mas também das internas que estão em regime fechado e que não podem estar aqui com a gente”, afirmou Thais Barra, diretora do Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Ananindeua.
 
Segundo o diretor de Reinserção Social (DRS) da Susipe, Belchior Machado, esse é um passo importante para o projeto. “É muito bom saber que a Coostafe está sendo requisitada em eventos, feiras e diversos locais para exposição e venda dos produtos de extrema qualidade e criatividade. Além disso, a participação no evento estimula o trabalho e o empreendedorismo contribuindo para a reinserção social dessas pessoas privadas de liberdade”, finalizou.
 
 
Por Fernanda Cavalcante, sob orientação de Vanessa Van Rooijen.