Obras da nova unidade prisional de Abaetetuba chegam a 40% de execução

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Estão sendo construídas 40 celas coletivas e oito individuais, divididas em dois blocos, com solário e espaço de vivência cada um, onde devem ocorrer as visitas familiares. A nova unidade prisional deve zerar o déficit de vagas prisionais em Abaetetuba.

A obra de construção do novo Centro de Recuperação de Abaetetuba já está com cerca de 40% dos serviços concluídos. O espaço físico construído compreende 2.678,96 metros quadrados e o investimento é de R$ 10.625.194,43, dos quais R$ 7.182.694,43 oriundos do orçamento estadual e R$ 3.442.500 federais, por meio do Departamento Nacional Penitenciário (Depen). O novo prédio terá capacidade para custodiar 306 pessoas do sexo masculino. Iniciada em maio de 2017, a obra tem previsão de entrega para novembro deste ano.

"Estão sendo construídas 40 celas coletivas e oito individuais, divididas em dois blocos, com solário e espaço de vivência cada um, onde devem ocorrer as visitas familiares. O prédio contará ainda com salas de educação e saúde, laboratório de informática, biblioteca, celas para visita íntima, parlatório, alojamento para a guarda e sala de distribuição de alimentos", explica Brenda Evanovitch, da Laca Engenharia, empresa contratada para execução da obra.

Para garantir maior segurança aos funcionários, familiares e aqueles que cumprem pena, na entrada do novo prédio haverá um espaço destinado para a recepção da casa penal, um lugar onde serão feitas as revistas, e corredor separado apenas para o tráfego de presos. As guaritas de segurança receberão blindagens para reforçar a segurança. No interior da casa penal, a estrutura é de alta resistência; 50% são de superestrutura, ou seja, constituída de forma, aço e concreto com 15 centímetros de espessura.

“Foi verificado que as guaritas dos presídios apresentavam fragilidade estrutural por serem construídas de alvenaria. A partir de então as guaritas dos novos centros de recuperação no Pará já estão seguindo o modelo usado nos presídios de segurança máxima, sendo construídas de concreto”, explicou a coordenadora de Engenharia e Arquitetura, Célia Monteiro. Assim como a nova unidade prisional de Abaetetuba, os novos presídios de Paragominas e Tucuruí, cujas obras também estão em andamento, terão as guaritas blindadas.

Outro diferencial do novo centro é o reaproveitamento da água da chuva, que será usada para lavagem do solário, além do uso em caixas sanitárias e uma Estação de Tratamento de Esgoto. A nova unidade prisional deve zerar o déficit de vagas prisionais em Abaetetuba. Hoje o excedente populacional carcerário no município é de 138%.

“O excedente populacional é uma realidade de todo o país, não uma exclusividade do Pará. Nos últimos três anos, o governo do Estado vem intensificando os investimentos para geração de novas vagas prisionais. Na atual gestão já foram investidos mais de R$ 72 milhões na criação de 1.965 vagas prisionais. Mais de R$ 160 milhões em recursos já foram destinados para a geração de outras 4.337 novas vagas. No total vamos gerar 6.302 vagas prisionais. É o maior investimento que o sistema penitenciário do Estado teve até hoje. Nossa capacidade populacional carcerária passará de 8,6 mil vagas para 14.902, e com isso esperamos equilibrar o déficit carcerário no Pará”, ressaltou o superintendente da Susipe, Rosinaldo Conceição.

Por Aline Saavedra | Foto: Akira Onuma (Ascom/ Susipe).