SIC.PA
                                                    Serviço de
                                                    Informação ao
                                                    Cidadão

                   

Contraste:

  • White/Black
  • Padrão

Current Style: Padrão

Zoom:

  • Increase
  • Decrease
  • Normal

Current Zoom: 100%

Projeto usa a leitura para mudar a vida de detentos do sistema penal

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
O projeto foi criado em 2015 e já beneficiou mais de 200 pessoas.

A Leitura que Liberta. Como o próprio nome diz, o projeto possibilita aos internos privados de liberdade reduzir a pena e aumentar as chances de um futuro melhor por meio da leitura. Desenvolvido pela Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e a Defensoria Pública do Estado, o projeto foi criado em 2015 e já beneficiou mais de 200 pessoas.

Ao participar do projeto cada interno faz a leitura de uma obra literária, previamente selecionada, e tem até trinta dias para produzir um relatório de leitura, para aqueles que possuem até o Ensino Médio completo, ou uma resenha, para aqueles com nível superior. Todas as produções textuais são avaliadas por meio de notas de 0 a 10, sendo aprovado o leitor que atingir nota igual ou superior a cinco. Alcançando a nota mínima, um atestado de desempenho é encaminhado ao juiz que concede ou não a remissão de quatro dias da pena.

O projeto é realizado em quatro unidades penitenciárias localizadas na região metropolitana de Belém e está em processo de extensão para outros munícipios, como Castanhal e Altamira. De agosto de 2016 a setembro deste ano, 296 textos foram produzidos. Os participantes são acompanhados por professores de língua portuguesa, história, sociologia e literatura, entre outras disciplinas. Durante os 30 dias, cada leitor deverá estar presente em no mínimo 50% dos encontros realizados para o acompanhamento da elaboração dos textos.

Elzemam Ledo entrou no projeto com a única pretensão de fazer uma atividade que lhe ajudasse a esquecer que estava presa. Mas o projeto a presenteou com muito mais. Com a leitura, a interna custodiada no Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Ananindeua encontrou no projeto uma maneira de libertar a mente e alimentar as esperanças de uma vida nova.

“Eu procurei fazer algo que me fizesse esquecer que estava aqui, algo diferente. Antes eu lia um livro em um ano, hoje eu leio um livro por mês. Sou uma das internas aprovadas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e a leitura me ajudou muito a tirar uma boa nota na redação. Eu nunca tive vontade de cursar uma faculdade, mas depois do projeto tudo mudou, e hoje posso comemorar a minha aprovação no curso de Direito. Uma vez me falaram que se nos derem limão, devemos fazer uma limonada, e é pensando nisso eu procuro fazer tudo de bom que tem dentro da casa penal”, relatou Elzemam, custodiada há dois anos e dois meses no CRF.

Defensora Pública do Estado e mentora do projeto, Anna Izabel Santos afirma que os resultados positivos dessa iniciativa já podem ser observados. “O que a Susipe vem fazendo junto à Defensoria Pública e à Seduc é tentar diminuir as mazelas no cárcere e melhorar o nível educacional dos apenados. E isto está sendo alcançado, visto que vários deles melhoraram a leitura, a escrita, e muitos já estão cursando uma faculdade”, avaliou.

De acordo com o Superintendente do Sistema Penitenciário do Estado, Coronel Rosinaldo Conceição, a Susipe vem buscando incansavelmente parcerias, atividades e iniciativas que proporcione ao preso uma nova perspectiva de vida. “Hoje a Susipe tem buscado esforços para melhorar o sistema penal e parcerias como esta são importantíssimas, pois se conseguirmos fazer com que uma pessoa perceba que o mundo do crime não traz coisa boa pra ninguém já é uma vitória”, pontuou.

Além da produção textual feita pelos detentos, por meio do projeto já foram realizados o I Encontro Paraense de Remição da Pena pela Leitura, em agosto de 2016; a publicação do jornal “Os Canários”, em abril deste ano, e da I Coletânea dos leitores do projeto. O próximo evento será um Sarau Cultural denominado “Flores, Sabores e Belezas do meu Jardim”, que será realizado no dia 20 de outubro, no Centro de Recuperação Feminino (CRF) de Ananindeua.

“A Leitura que Liberta é um projeto que vem mudando a vida de pessoas por meio da leitura, despertando nelas um novo olhar para a vida. Nossa meta é levar essa experiência a mais casas penais, começando com aquelas beneficiadas por outro projeto, o 'Arca da Leitura', que estimula os presos a ocuparem o tempo antes ocioso com leituras”, finalizou o diretor de Reinserção Social da Susipe, Ivaldo Capeloni.

Por Aline Saavedra | Foto:Alfredo Matos (Ascom/Susipe)
Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará

 

SUPERINTENDÊNCIA DO SISTEMA PENITENCIÁRIO DO ESTADO DO PARÁ
Rua dos Tamoios, 1592  -  Batista Campos  -  CEP 66033-172 - Belém/ PA
FONE: (91) 3239 4210