Susipe adota medidas de segurança para garantir disciplina no cárcere

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Detentos custodiados em 18 unidades prisionais se recusam a sair para audiências penais.
A Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) comunicou à Justiça, na manhã desta quinta-feira (14/3), sobre a recusa dos presos de alguns centros de detenção do Estado de participarem de auidências. 
 
De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária da Susipe (DAP), detentos custodiados em 18 unidades prisionais se recusam a sair para audiências penais. A reivindicação seria por conta do maior rigor nos procedimentos operacionais para garantir disciplina no cárcere.
 
“As medidas de segurança institucionais adotadas pela nova gestão vem sendo rigorosamente cumpridas com o intuito de garantir os direitos previstos na Lei de Execução Penal (LEP) dos internos custodiados pelo Estado. A nova gestão da Susipe está investindo no diálogo e reforçando o compromisso com os apenados ao reconhecer direitos basilares como: alimentação adequada, banho de sol, atendimento à saúde, saídas para audiências penais, entre outros.”, explica o diretor de administração penitenciária, coronel Janderson Paixão. 
 
Para o secretário Extraordinário de Estado para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos a garantia de direitos é justo, porém precede o cumprimento de deveres. “Não vamos abrir mão da disciplina no cárcere. O controle dos presídios é do Estado. Não vamos compactuar, em hipótese alguma, com nenhuma ação que possa prejudicar e/ou coagir aqueles que querem ter o seu direito garantido de comparecer às audiências penais. Já comunicamos à Justiça e esperamos que os detentos cumpram com os seus deveres”, afirma o secretário. 
 
A garantia da disciplina e ordem nos presídios são as principais metas da nova gestão penitenciária para garantir a segurança no sistema prisional paraense.
 
“Desde o inicio, a proposta da minha gestão é a de manter a disciplina garantindo os direitos dos apenados, mas também exigindo deles os deveres que cabem dentro das regras de custódia. Para isso estamos conseguindo manter o diálogo, mas aumentando o rigor nas medidas de segurança, fazendo de tudo para impedir que ocorram ações criminosas como fugas, tentativa de resgate e a permanência de objetos ilícitos dentro do presidio. O Estado vai fazer o seu papel.”, conclui o secretário.
 
Segundo a Assessoria de Segurança Institucional da Susipe, até o momento, a paralisação ocorreu em nove presídios da Região Metropolitana de Belém e em oito unidades prisionais no interior do estado. De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária da Susipe, as demais 30 unidades prisionais do Estado operam dentro da normalidade.
 
Por: Assessoria de Comunicação.  Fotos: Akira Onuma