Susipe investe cerca de R$ 10 milhões na compra de novos equipamentos de segurança

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
Em 2018, o Funpen destinará mais de R$ 23 milhões para o sistema penitenciário paraense. O principal investimento da Susipe será na aquisição de scanners corporais (body scanner). No Brasil, o equipamento já é utilizado em presídios de 13 estados e no DF.

A Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) adquiriu novos equipamentos para reforçar a segurança nas 46 unidades prisionais do Estado. Foram investidos cerca de R$ 10 milhões do total de recursos destinados ao Pará pelo Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), em 2017 - o montante foi de mais de R$ 44 milhões de reais.

O recurso foi utilizado na compra de rádios comunicadores, raquetes, algemas, banquetas e equipamentos de raio x, furgão-cela, caminhão-cela, contratação de serviço de bloqueio de celular e equipamentos de tecnologia da informação, além de armamento que será utilizado pelos novos agentes prisionais concursados.

“Além de recursos para a manutenção dos serviços e equipamentos de segurança para as unidades prisionais, o Funpen destinou verba para construção, reforma e ampliação de estabelecimentos penais, formação e aperfeiçoamento de servidores, aparelhamento e reinserção social de pessoas privadas de liberdade que totalizaram mais de R$ 44 milhões. Os processos licitatórios de 2017 já foram todos concluídos e agora só estamos esperando os novos agentes penitenciários concursados tomarem posse, para que os armamentos, coletes e fardamento comprados sejam enviados para as casas penais”, destacou o coronel Alan Guimarães, diretor de Licitação, Contratos e Convênios (DLCC) da Susipe.

Para Geraldo Gomes, diretor em exercício do Presídio Estadual Metropolitano II (PEM II), umas das unidades prisionais que recebeu os novos equipamentos, a aquisição do material é importante para reforçar as revistas nas casas penais. Segundo ele, houve uma considerável queda na entrada de objetos ilícitos no presídio.

“São equipamentos de alta tecnologia, que visam dar mais segurança aos presídios e nos ajudam a coibir a entrada de materiais ilícitos nas unidades. Desde que os equipamentos chegaram diminuímos em 80% o número desses objetos ilegais apreendidos durante revista de visitantes no PEM II”, explica o diretor-geral Penitenciário da Susipe, coronel Mauro Matos.

Em 2018, o Funpen destinará mais de R$ 23 milhões para o sistema penitenciário paraense. O principal investimento da Susipe será na aquisição de scanners corporais (body scanner). Os equipamentos serão utilizados na revista de visitantes e servidores nas unidades prisionais. A tecnologia é a mesma utilizada em aeroportos internacionais dos Estados Unidos e Europa.

"O equipamento emite ondas de radiofrequência e possui transmissores e receptores que ficam posicionados em duas colunas. Após a pessoa passar pelo procedimento de revista, segundos depois as imagens são transmitidas para um monitor, onde um agente analisará as imagens que revelam até mesmo objetos escondidos em cavidades internas do corpo, através da tecnologia 3D", explica Mauro Matos.

No Brasil, o body scanner já é utilizado em presídios de 13 estados e no Distrito Federal: Amazonas, Acre, Maranhão, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Somente no Distrito Federal todas as unidades prisionais são equipadas com o scanner corporal.

“A Susipe já realiza pesquisa de preços para contratação do serviço de scanner corporal 3D com os recursos disponibilizados pelo Fundo Penitenciário Nacional, conforme recomendação do Ministério da Justiça. A compra do novo equipamento deverá acontecer ainda no primeiro semestre deste ano. Mais de R$ 2,5 milhões de reais serão investidos. A tecnologia certamente nos ajudará a coibir ainda mais a entrada de objetos ilegais nos presídios do Pará”, finalizou o diretor-geral Penitenciário da Susipe.

Por Giullianne Dias | Foto: Akira Onuma (Ascom/ Susipe).